SILVA & SILVA INTELIGÊNCIA JURÍDICA PARA VENCER

Junho: Mês de combate ao trabalho infantil

HomeArtigosJunho: Mês de combate ao trabalho infantil

Junho: Mês de combate ao trabalho infantil

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) instituiu, no ano de 2002, o dia 12 de junho como data de combate ao trabalho infantil. A campanha perdura o mês inteiro, inclusive, com o apoio do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A Constituição Federal de 1988, contempla no rol de direitos fundamentais, junto à categoria de direitos sociais, a proteção à infância. Porém, nem sempre essa proteção é efetivada, uma vez que, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase 2,5 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos estão trabalhando no Brasil.

Mesmo que com uma significativa redução, o trabalho infantil ainda ocorre em nosso país, pois está intimamente relacionado aos índices de pobreza, situação que faz as crianças deixarem os estudos e se submeterem ao trabalho para ajudar no sustento da família.

Em 2016, a Pesquisa Nacional para Amostras de Domicílios (PNAD), registrou 190 mil crianças entre 5 e 13 anos em situações de trabalho infantil, com jornadas de trabalho de 11,3 horas semanais, em média. A maior parte dos dados levantados na pesquisa correspondem à meninos, sendo que a maior região de incidência é a nordeste.

É muito frequente pensarmos que ao disponibilizarmos um trabalho para uma criança estamos contribuindo por tirá-las das ruas, de modo a protegê-las do “mundo do crime”.  Entretanto, a boa intenção nem sempre é efetiva, pois além de limitarmos o desenvolvimento da criança, estaremos colaborando com possível impacto psicológico e graves consequências na vida adulta.

Vale pensar que a própria lei prevê as possibilidades de inserção dos menores de 18 anos no mercado de trabalho.  É licita a contratação a partir dos 16 anos, sendo vedado, somente, que a atividade prestada seja em local insalubre, perigoso ou em horário noturno, condições aceitas apenas para os que já atingiram a maioridade (18 anos). Além disso, a legislação ainda prevê a possibilidade de contratação, a partir dos 14 anos, como menor aprendiz, com o intuito de capacitar o menor em uma área profissional, dando início a uma carreira profissional equilibrada e responsável.

Ao observarmos os parâmetros legislativos, podemos pôr fim a uma prática com raízes seculares, desde a escravidão da época colonial do País até os dias atuais, que é o trabalho infantil.  Embora a tarefa seja árdua, com esforços do Estado e da sociedade, pode-se combater o trabalho infantil. Assim, se cada um fizer sua parte, podemos construir um futuro melhor para as crianças do Brasil.

Beatriz Vitória da Silva

Estagiária do 5º período de Direito.

WhatsApp chat