SILVA & SILVA INTELIGÊNCIA JURÍDICA PARA VENCER

Fazenda pode habilitar, na falência, crédito alvo de execução se não houver penhora

HomeNotíciasFazenda pode habilitar, na falência, crédito alvo de execução se não houver penhora

Fazenda pode habilitar, na falência, crédito alvo de execução se não houver penhora

É possível a Fazenda Pública habilitar, em processo de falência, crédito objeto de execução fiscal em curso, mesmo antes da vigência da Lei 14.112/2020, desde que não haja pedido de constrição de bens no feito executivo.

Essa foi a tese aprovada por unanimidade pela 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça em julgamento na tarde da última quinta-feira (18/11). O enunciado tem observância obrigatória pelas instâncias ordinárias do Judiciário brasileiro.

A conclusão do julgamento apenas reforçou a jurisprudência já pacificada da 1ª e 2ª Turmas da corte, que julgam temas de Direito Público. Ambas já vinham decidindo pela possibilidade de coexistência de execução fiscal e habilitação de créditos na falência como meios de a Fazenda perseguir seus créditos.

A execução fiscal é a ação específica para a Fazenda cobrar suas dívidas, disciplinada pela Lei 6.830/1980 (Lei de Execução Fiscal) e pelo Código de Processo Civil, que é aplicado de forma complementar.

Já a Lei de Falências e Recuperação Judicial (Lei 11.101/2005) coloca o chamado juízo universal como único competente para, de forma indivisível, conhecer de todas ações sobre os negócios do falido, ressalvadas as ações trabalhistas, fiscais e não reguladas.

Relator do repetitivo, o ministro Gurgel de Faria destacou que a interpretação dos artigos 5º, 29 e 38 da LEF, do artigo 187 do Código Tributário Nacional e do artigo 76 da Lei de Falências leva à conclusão de que execução e a habilitação de crédito na falência podem coexistir.

O objetivo é preservar o interesse maior, que é a satisfação do crédito, “não podendo a prejudicialidade do processo falimentar ser confundida com a falta de interesse de agir do ente público”, concluiu o relator.

Tema controverso
O tema, pacífico na 1ª Seção, é também apreciado pelo viés do Direito Empresárial nas 3ª e 4ª Turmas do STJ, que compõem a 2ª Seção, responsável por julgar casos de Direito Privado. E, lá, ainda causa discussões substanciais.

Apenas recentemente a 4ª Turma concluiu pela possibilidade de habilitação de crédito na falência e execução fiscal coexistirem.

Ainda assim, o julgamento teve divergência de entendimento quanto à possibilidade de o Fisco deliberadamente usar essas duas vias para perseguir o crédito. A maioria entendeu que a hablitação de crédito da Fazenda só é possível se houver a suspensão da execução fiscal.

A 3ª Turma tem precedente de 2020 em que reconheceu o direito de a União habilitar créditos de R$ 78,4 milhões contra a Varig, valor que já constava de execução fiscal ajuizada antes da decretação da falência da empresa aérea, a qual deve ficar paralisada.

Fonte: ConJur