SILVA & SILVA INTELIGÊNCIA JURÍDICA PARA VENCER

Empresa embargada sem base em critérios técnicos pode retomar atividade

HomeNotíciasEmpresa embargada sem base em critérios técnicos pode retomar atividade

Empresa embargada sem base em critérios técnicos pode retomar atividade

Fotografias, conclusões visuais e sensoriais não são elementos técnicos que comprovam danos ambientais; assim, não justificam a determinação de interdição das atividades de uma empresa.

Esse foi o entendimento da 3ª Vara Cível, da Fazenda Pública Municipal, de Registro Público e Ambiental da Comarca de Itumbiara (GO) ao determinar a suspensão de embargo ao funcionamento de uma empresa, imposto por agência ambiental.

No caso concreto, a autora da ação é uma empresa especializada em nutrição animal. Em outubro de 2020, foi notificada pela Agência Municipal do Meio Ambiente de Itumbiara (Ammai) para promover adequações ambientais, a confecção de relatório sobre a contenção de pó expelido e cronograma para conclusão do controle de particulados na sede da fábrica.

No dia 6 de julho de 2021, foi determinado que a empresa providenciasse, no prazo de 30 dias, estudo de impacto de vizinhança, plano de compensação de danos socioambientais causados a população e ações que abrangem aspectos ambientais e de saúde pública, além de, no prazo de nove dias, apresentar proposta e cronograma de execução para minimização da emissão de particulados no depósito de palha.

A empresa alegou ter se mobilizado para atender à exigência relativa ao depósito e fez uma reunião com a agência a fim de debater as demais imposições determinadas. Porém, não foi possível acordo sobre tais condições, ocasião em que a fiscal do meio ambiente lavrou auto de infração.

No mesmo dia, e antes do término dos prazos para as adequações, a mesma fiscal ambiental interditou por tempo indeterminado o depósito de matéria-prima da autora. Por tais razões, a empresa requer a concessão do pedido de tutela de urgência para determinar a imediata suspensão do embargo e permitir o retorno das suas atividades.

O juiz Alessandro Luiz de Souza observou a presença da “fumaça do bom direito”, pois a fiscalização que culminou com o embargo ocorreu antes de esgotado o prazo para apresentação de proposta e cronograma de execução de medidas para minimizar a emissão de particulados. Além disso, a agência ambiental não apresentou as razões para não respeitar o prazo.

Para o magistrado também está presente o “perigo da demora”, pois a interrupção das atividades da requerente representa considerável perigo de danos irreparáveis, além de colocar em risco a satisfação dos compromissos firmados com clientes, funcionários e terceiros.

Fonte: ConJur