fbpx
SILVA & SILVA INTELIGÊNCIA JURÍDICA PARA VENCER

É válida a intimação de contribuinte para apresentação de documentos referentes a contas financeiras sem autorização judicial, por meio de autoridade fiscal do Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento

HomeOutrosÉ válida a intimação de contribuinte para apresentação de documentos referentes a contas financeiras sem autorização judicial, por meio de autoridade fiscal do Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento

É válida a intimação de contribuinte para apresentação de documentos referentes a contas financeiras sem autorização judicial, por meio de autoridade fiscal do Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento

Por unanimidade, a Sétima Turma do Tribunal Regional Federal 1ª Região (TRF1) negou provimento à apelação interposta por um contribuinte contra a sentença que denegou a segurança por não constatar ilegalidade na apresentação à Fazenda Nacional de extratos de contas bancárias e de aplicações financeiras, não configurando quebra de sigilo tal procedimento em razão do poder de fiscalização da autoridade fazendária.

O relator, desembargador federal Hercules Fajoses, afirmou que a Constituição Federal “facultou à Administração Tributária a identificação do patrimônio, dos rendimentos e das atividades econômicas do contribuinte, nos termos da lei e respeitados os direitos individuais”.

Segundo o magistrado, o TRF1 já reconheceu que a quebra do sigilo bancário sem prévia autorização judicial para fins de constituição de crédito tributário não extinto é autorizada pela Lei nº 8.021/90 e pela Lei Complementar nº 105/2001, que passou a regular o sigilo das operações de instituições financeiras, “preceituando que não constitui violação do dever de sigilo a prestação de informações à Secretaria da Receita Federal, sobre as operações financeiras efetuadas pelos usuários dos serviços”.

Hercules Fajoses concluiu seu voto salientando que há de ser reconhecida a validade da intimação do contribuinte para apresentação de documentos, livros e registros de instituições financeiras, inclusive os referentes a contas de depósitos e aplicações financeiras, desde que preservado o sigilo para quaisquer outras hipóteses que não a prevista na norma referida.

Fonte: Boletim Jurídico

WhatsApp chat