fbpx
SILVA & SILVA INTELIGÊNCIA JURÍDICA PARA VENCER

AFINAL, QUANTO TEMPO UMA PESSOA PODE FICAR PRESA?

HomeArtigosAFINAL, QUANTO TEMPO UMA PESSOA PODE FICAR PRESA?

AFINAL, QUANTO TEMPO UMA PESSOA PODE FICAR PRESA?

Tramita na Câmara dos Deputados, neste momento, o Projeto de Lei nº 2403/19, que, entre outras disposições, propõe a ampliação para 50 anos o limite do tempo de prisão.

O projeto traz à tona uma antiga dúvida popular – afinal, quanto tempo pode uma pessoa ficar presa no Brasil?

É comum vermos na mídia notícias de condenações judiciais à penas exorbitantes – a título de exemplo, há o emblemático caso do médico Roger Abdelmassih, condenado pela Justiça de São Paulo em 2010 a 278 anos de reclusão.

Contudo, é sabedoria popular que “ninguém fica muito tempo preso no Brasil”, mesmo diante de penas tão majestosas. Surge, então, a mencionada dúvida.

O que acontece é o seguinte: o Código Penal brasileiro não fixou um limite às penas impostas em condenações, contudo, fixou um limite de tempo para o cumprimento delas – esse limite é de 30 anos, conforme o art. 75 do supracitado código.

Assim, se o agente for condenado a uma pena de 300 anos, não poderá ficar recluso por um período superior a 30 anos.

Mas de onde veio a ideia deste limite? Existem dois fatores principais.

Primeiro, a Constituição Federal, em seu art. 5º, inciso XLVII, alínea b, proíbe expressamente as penas de caráter perpétuo. Segundo, a limitação existe para que o condenado possua “a esperança de liberdade e a aceitação da disciplina, pressupostos essenciais da eficácia do tratamento penal”, conforme o disposto no dispostivo 61 da Exposição de Motivos da Lei nº 7.209/84, que alterou o Código Penal e impôs o limite atual.

Destaca-se que, no Brasil, as penas não se limitam unicamente ao cumprimento integral em estabelecimento penal de segurança máxima ou média. Além desta possibilidade, que é o regime fechado, existem também as modalidades de cumprimento de pena em regime semiaberto, onde o agente cumpre a pena em colônia geral agrícola, industrial ou em estabelecimento similar, bem como em regime aberto, onde o agente pode trabalhar, frequentar cursos em liberdade, durante o dia, recolhendo-se em casas de albergados ou estabelecimento similar à noite e nos dias de folga.

Assim, é importante destacar, apesar dos ditames legais, que a atuação do advogado é imprescindível para assegurar a imposição dos limites previstos na legislação, atuando junto aos processos de execução penal como fiscal da lei, sempre rogando pela correta e justa aplicação desta.

Pedro Cezar Silva Moura

WhatsApp chat